Carregando...
COB

Janeth Arcain receberá Troféu Adhemar Ferreira da Silva

Ex-atleta prata em Atlanta 1996 e bronze em Sydney 2000 com a seleção feminina de basquete será homenageada por representar valores como ética, eficiência e espírito coletivo

Janeth Arcain receberá Troféu Adhemar Ferreira da Silva
Janeth nos Jogos de Atlanta 1996, onde foi vice-campeã olímpica, o bronze em Sydney 2000 e a prata no Pan Rio 2007. Fotos: COB

O Troféu Adhemar Ferreira da Silva tem como objetivo homenagear atletas e ex-atletas que representem os valores que marcaram a carreira e a vida do bicampeão olímpico no salto triplo como ética, eficiência técnica e física, esportividade, respeito ao próximo, companheirismo e espírito coletivo. E todos esses atributos remetem à Janeth dos Santos Arcain, ala-armadora da principal geração do basquete feminino do Brasil, que conquistou duas medalhas olímpicas - prata em Atlanta 1996 e bronze em Sydney 2000 – e o título mundial em 1994, dentre outros grandes títulos. Janeth receberá a homenagem das mãos da filha do Adhemar, Adyel Silva, no Prêmio Brasil Olímpico, festa de gala do esporte brasileiro organizada pelo Comitê Olímpico do Brasil (COB), na próxima terça-feira, dia 7, em Aracaju (SE), que seá transmitida pela Sportv. 

“Fiquei muito emocionada quando recebi a notícia do presidente Paulo Wanderley. Acho que todos os valores do Adhemar me representam e acrescentaria ainda a disciplina. Receber o Troféu das mãos da filha do Adhemar, para mim, é como se ele mesmo tivesse entregando. É uma representação de todo o trabalho que a gente fez para o esporte brasileiro, passando de mãos em mãos. É mais um motivo de alegria, de orgulho e de representatividade”, disse Janeth. “Significa valorização da luta, do que a gente sempre busca, de uma sociedade mais igualitária, de atletas, principalmente negros, que representam esses valores. Estar juntos de grandes atletas e personalidades que receberam esse prêmio para mim é uma honra”, completou.

Janeth nasceu em São Paulo, em 11 de abril de 1969. E teve no Mundial de 1983, realizado no Brasil, a inspiração para começar a jogar basquete. Ao assistir a seleção no torneio, a jovem começou a sonhar que um dia poderia ser a sua vez. Teve sua primeira convocação para a seleção em 1986 e permaneceu por mais de 20 anos jogando em altíssimo nível, com quatro participações nos Jogos – disputaria ainda as edições de Barcelona 1992 e Atenas 2004 –, três medalhas pan-americanas, sendo a última em casa, e um título mundial. Ela formou um trio implacável com Paula, homenageada no Hall da Fama, e Hortência, representante da Comissão de Atletas do COB, com as quais se reencontrará no Prêmio Brasil Olímpico.

A seleção vice-campeã olímpica em Atlanta 1996. Foto: COB

“Essa nossa geração marcou muito. Claro que toda vez que a gente se encontra é uma grande alegria porque vem demonstrando que o que a gente fez, o tripé que nós formamos é lembrado e valorizado. Estar lá com elas, ter esse reencontro, é maravilhoso porque a gente lembra o que viveu na nossa geração, as conquistas que nós tivemos, então eu sempre me sinto muito feliz, muito honrada em estar no PBO desse ano”, contou.

Em Atenas 2004, sua última participação olímpica, ficou em quarto lugar e se tornou a maior cestinha da história do torneio de basquete em Jogos Olímpicos, recorde superado apenas em 2012 pela estadunidense Lauren Jackson. Janeth é a terceira maior pontuadora da história da seleção, tendo anotado 2.247 pontos em 138 jogos oficiais, média de 16,3 pontos por jogo.

“A maior conquista que tive na minha carreira eu considero o pódio olímpico em Atlanta 1996, medalha de prata. Era um momento inesquecível, único, eu me emocionei muito, era uma mistura de alegria e tristeza. Estava vivendo um momento muito bom na minha carreira como atleta, mas a equipe que eu jogava no Brasil estava sem patrocínio. Será que aquela medalha seria uma resposta? Foi uma mistura de sensações”, explicou.

Ao longo da carreira, Janeth defendeu o Higienópolis (SP), BCN (SP), Cica/Divino/Jundiaí (SP), Constecca/Sedox (SP), Leite Moça/Sorocaba, Arcor/Santo André (SP), Vasco da Gama (RJ), São Paulo/Guaru (SP), Houston Comets (WNBA), Unimed/Ourinhos (SP) e Ros Casares Valencia (Espanha).

Janeth se aposentou da seleção e do basquete profissional após os Jogos Pan-americanos de 2007, no Rio de Janeiro, com a medalha de prata. Em 2009, decidiu transmitir o seu conhecimento às jovens atletas do país, tornando-se técnica das categorias de base da seleção feminina, onde permaneceu até 2012. Em 2016, Janeth foi escolhida para ser a prefeita da Vila Olímpica nos Jogos Olímpicos do Rio. Ela também se dedica ao instituto que criou em 2002 em Santo André (SP), mas que está espalhado em outras quatro cidades do país, e usa o esporte como ferramenta para ajudar a educação de crianças e adolescentes.