Carregando...
COB

Com 300 eventos transmitidos, Canal Olímpico do Brasil completa 1 ano e amplia visibilidade do esporte nacional

Plataforma de streaming exibiu bastidores de Tóquio 2020 e acabou transmitindo seu primeiro evento multiesportivo: o Pan Júnior de Cali

Com 300 eventos transmitidos, Canal Olímpico do Brasil completa 1 ano e amplia visibilidade do esporte nacional
Hebert Conceição campeão olímpico do boxe e Isaquias Querioz campeão olímpico da canoagem velocidade na base do TIme Brasim em Chuo. Foto: Miriam Jeske/COB

Há um ano, o torcedor brasileiro era apresentado a um novo conceito de transmissões ao vivo e geração de conteúdo esportivo no Movimento Olímpico. Com o objetivo de democratizar o acesso e ampliar a visibilidade do esporte nacional, o COB lançou sua própria plataforma de streaming: o Canal Olímpico do Brasil. Um projeto realizado em parceria com a NSports que, em seus 12 primeiros meses, já exibiu 300 eventos esportivos, de 36 modalidades, reunindo mais de 150 mil usuários cadastrados.

“O Canal Olímpico do Brasil chegou para preencher uma lacuna que existia nas transmissões esportivas, colocando diversas modalidades em evidência durante todo o ciclo, e não somente nas duas semanas de Jogos Olímpicos. Os números registrados até aqui comprovam que havia uma demanda reprimida e que ainda há margem de crescimento”, afirma a diretora de Comunicação e Marketing do COB, Manoela Penna.

Mas não são apenas os números registrados pelo Canal Olímpico do Brasil que surpreendem. A relevância dos eventos transmitidos também impressiona. Após a abertura oficial em 12 de dezembro de 2020, com a participação especial do presidente Paulo Wanderley, e a entrega no dia seguinte da medalha olímpica ao velocista Cláudio Roberto, prata em Sydney 2000 no 4x100m, a plataforma exibiu diversos torneios classificatórias para Tóquio 2020, como: os Pan-americanos de Remo, Ginástica Artística e Ginástica Rítmica; o Pré-olímpico Mundial de handebol masculino; e a Seletiva Olímpica de Natação, realizada no Parque Aquático Maria Lenk, administrado pelo COB.

O ex-velocista Claudio Roberto recebeu sua medalha olímpica ao vivo no Canal Olímpico do Brasil. Foto: Gaspar Nóbrega/COB

Nos Jogos Olímpicos, outro momento representativo: o COB exibiu os bastidores da delegação brasileira nas oito bases espalhadas pelo Japão. Com conteúdo exclusivo, a entidade fechou acordos de patrocínio com XP, Riachuelo, Havaianas, TIM e TikTok, realizando ativações com as cinco marcas.

“Elaboramos uma estratégia voltada ao conteúdo digital, que englobava o Canal Olímpico do Brasil e as redes sociais. Com uma base considerável de seguidores, pudemos tornar o projeto atraente, sustentável e com boa audiência. Queremos que toda a cadeia esportiva, como atletas, treinadores e confederações, possa se beneficiar com essa iniciativa”, explica Manoela.

Após os Jogos de Tóquio, o Canal Olímpico do Brasil teve como principal novidade a transmissão de seu primeiro evento multiesportivo: os Jogos Pan-americanos Júnior Cali 2021, onde o país terminou na liderança do quadro geral de medalhas, com 164 pódios, e conquistou 77 vagas garantidas para os Jogos Pan-americanos Santiago 2023.  A cobertura de Cali 2021 alcançou mais de 180 mil visualizações e cerca de 27.000 horas assistidas.

E o Canal Olímpico vai muito além das transmissões ao vivo, com diversos conteúdos exclusivos, como entrevistas com grandes atletas, boletins informativos, atualizações sobre as últimas competições e novidades do movimento olímpico, além de bastidores do Centro de Treinamento Time Brasil, entre outros.

Ainda esta semana serão transmitidos: as Seletivas Nacionais de judô (dias 15 e 17); o Campeonato Brasileiro de Patinação Artística (18); e o Campeonato Brasileiro de Nado Artístico (17 a 19). Todos os eventos podem ser acompanhados pelo aplicativo do Canal Olímpico do Brasil ou pelo site canalolimpicodobrasil.com.br.


Equipe de Ginástica rítimica do Brasil é ouro nos Jogos de Cali com a fita grupo de 5. Foto: Washington Alves/COB

Outras notícias + Lista completa