Carregando...
Time Brasil

A um mês de Gangwon 2024, Time Brasil convoca 15 atletas para os Jogos Olímpicos de Inverno da Juventude

Delegação será recorde para o evento e terá representação em sete esportes: bobsled, curling, esqui alpino, esqui cross country, patinação velocidade – pista curta, snowboard e skeleton

A um mês de Gangwon 2024, Time Brasil convoca 15 atletas para os Jogos Olímpicos de Inverno da Juventude
Alexandre Castello Branco/COB

Agora é oficial. A um mês de Gangwon 2024, estão definidos os 15 atletas convocados para representar o Brasil nos próximos Jogos Olímpicos de Inverno da Juventude. Em live no canal do Time Brasil no Youtube, foram anunciadas as modalidades classificadas e os seus representantes. Com isso, o Brasil já inicia o evento com uma marca importante: o recorde tanto no número de atletas quanto no de modalidades numa edição dos Jogos Olímpicos de Inverno da Juventude – o recorde anterior era de Lausanne 2020 com 12 atletas em seis esportes.

A maior parte dos atletas representa o curling. A equipe será formada por Pedro Ribeiro, Guilherme Melo, Julia Gentile e Rafaela Ladeira. Júlia e Guilherme também jogarão as duplas mistas. No snowboard, o Brasil teve direito a duas vagas, uma de João Teixeira no halfpipe e outra de Zion Bethônico no cross. Serão outras quatro modalidades com dois atletas brasileiros: o esqui cross country com Ian Francisco da Silva e Júlia Reis; o esqui alpino com os irmãos gêmeos Alice e Arthur Padilha; o bobsled com Luiz Felipe Seixas e André Luiz dos Santos; e o skeleton com Cauê Miota e Eduardo Strapasson. Fechando a lista, a primeira vaga do Brasil em Gangwon foi conquistada por Lucas Koo na patinação velocidade – pista curta.


“A participação nos Jogos Olímpicos de Inverno da Juventude significa a renovação dos esportes de gelo e neve do Brasil. Ver que o número de vagas e de modalidades em que o país estará representado está aumentando a cada edição mostra que os atletas já enxergam um caminho de alto rendimento nessas modalidades. Com a classificação sendo fechada tão perto do evento, estamos tranquilos de que os atletas chegarão bem preparados para que também possamos seguir evoluindo em termos de resultado”, disse Matheus Figueiredo, chefe da Missão Brasileira nos Jogos.

A live da convocação contou com a presença de Jaqueline Mourão,
a atleta brasileira com mais participação em Jogos Olímpicos, oito, sendo cinco em Jogos Olímpicos de Inverno e três de verão, de Atenas 2004 a Pequim 2022, e Edson Bindilatti, que estará em Gangwon como técnico da equipe de bobsled e disputou cinco Jogos Olímpicos de Inverno. O baiano que começou no atletismo, virou símbolo da modalidade de gelo nos mais de 20 anos dedicados às descidas com o trenó.

A primeira equipe operacional do COB sai do Brasil no dia
seis de janeiro para deixar tudo preparado nas duas Vilas Olímpicas que contarão com brasileiros. Em Jeongseon, ficarão os atletas do esqui alpino. Todas as demais modalidades ficarão na Vila de Gangneung. No dia 20, já serão realizados os primeiros jogos de curling e haverá disputas de medalhas na patinação velocidade – pista curta e no snowboard cross.

“O legal é que a gente vai chegar nos Jogos, por volta do dia 10, para ter a aclimatação porque são 12 horas de diferença. Pedimos ao COB e à CBDG pra chegarmos um pouco antes, em Seul mesmo, já aclimatando ao fuso e depois a gente vai pra Vila, no dia 14. Acho que eles não têm que focar no resultado. Quando chegar no topo da pista tem que se divertir, fazer o que sabe e a classificação final é consequência”, disse Bindilatti, que será o treinador do bobsled em Gangwon.

“Eu acredito que os Jogos Olímpicos de Inverno da Juventude são uma primeira experiência. Quando você chega em um Jogos Olímpicos é tudo grandioso, muitos atletas, muitas pessoas. É uma excelente oportunidade de ter essa vivência, compartilhando os momentos com vários atletas de outros países, de outras modalidades. É uma introdução aos Jogos, uma oportunidade única de viver o espírito olímpico. Dê o seu melhor, mas ali é um momento de experimentar e conquistar uma bagagem”, disse Jaqueline Mourão.

“Eu diria para eles aproveitarem cada segundo dessa experiência. Com tantos estímulos, tantas coisas que acontecem, às vezes, a gente sai do foco principal. Assim que chego na Vila, vou tirar minhas fotos, registrar o kit do Time Brasil que a gente recebe, conheço a Vila, vejo onde é o restaurante, centro médico, biblioteca. E aí, aos poucos, entrar no foco da competição. Assim, dá pra curtir e dar o seu melhor", completou.

Os Jogos Olímpicos de Inverno da Juventude

A Cerimônia de Abertura de Gangwon 2024 será no dia 19 de janeiro, marcando o início dos maiores Jogos Olímpicos de Inverno da Juventude já realizados, com aproximadamente 1.900 jovens atletas competindo em 81 eventos de sete esportes e 15 disciplinas, com uma divisão de 50-50 entre competidores masculinos e femininos.

Os 4º Jogos Olímpicos de Inverno da Juventude serão realizados na província de Gangwon, na República da Coreia, que já sediou os Jogos Olímpicos de Inverno PyeongChang 2018. Estes serão os primeiros realizados na Ásia e irão utilizar o legado dos Jogos Olímpicos e envolver ainda mais jovens através de várias atividades antes, durante e depois dos Jogos.

A primeira edição foi realizada em 2012, em Innsbruck, na Áustria. O evento reuniu cerca de mil atletas de mais de 60 países, disputando 15 modalidades esportivas. O Time Brasil foi representado por dois atletas de 15 anos: a paulista Eliza Nobre, 42ª no slalom gigante; e pelo cearense Tobias Macedo, 33ª posição no geral do slalom especial, e em 9º entre os atletas de sua idade, sendo o melhor sul-americano.

Lillehammer 2016 contou com cerca de 1.100 atletas de 70 países disputando 15 modalidades, algumas com formato inédito. O Time Brasil foi representado por dez atletas: Altair Firmino, no esqui cross country; Michel Macedo, no esqui alpino; Laura Nascimento e Robert Barbosa, no skeleton; Jéssica Victoria e Marley Linhares, no monobob; e uma equipe de curling formada por Elian Rocha, Giovanna Barros, Raissa Rodrigues e Victor Santos.

Destaque para o 15º lugar obtido por Michel Macedo no Super-G. Esta foi a melhor colocação do esqui alpino brasileiro em eventos olímpicos, de jovens ou adultos. No monobob, Marley Linhares e Jéssica Victória chegaram ao oitavo e nono lugares, respectivamente, mostrando talento na pilotagem a mais de 110km/h.

Lausanne 2020, terceira edição dos Jogos Olímpicos de Inverno da Juventude, contou com um número igual de atletas masculinos e femininos. Cerca de 1.880 atletas competiram em 8 esportes, sendo 16 disciplinas, e em 81 eventos de medalhas durante os 13 dias de evento. O Time Brasil contou com 12 atletas, de 6 modalidades: Noah Bethonico, no snowboard cross; Manex Silva, Rhaick Bonfim, Eduarda Ribera e Taynara da Silva, no esqui cross-country (Taynara também disputou o biatlo); Lucas Carvalho e Larissa Cândido, no skeleton; Gustavo Ferreira, no monobob; e a equipe mista de curling composta por Gabi Rogic Farias, Michael Velve, Vitor Melo e Leticia Cid.

No snowboard cross, em que o Brasil foi representado no evento pela primeira vez, Noah Bethônico ficou na 11ª colocação, a apenas três posições de avançar à final, garantindo a melhor colocação entre os atletas brasileiros em Lausanne.

Ainda no gelo, a equipe mista de curling do Brasil marcou pontos em todos os jogos em uma competição internacional pela primeira vez e ainda quebrou os recordes de pontos marcados em uma mesma partida, na derrota de 12 a 3 para Dinamarca, em que venceu dois ends.

Já na neve, o Brasil teve o melhor sul-americano em todas as provas de esqui cross-country que disputou, com direito a recorde de pontos FIS em todas elas. Destaque para o Top 40 de Manex Silva na prova de Sprint.

Outras notícias + Lista completa