Carregando...

Winnpeg 1999

23/07 a 08/08
|
Jogos Pan-Americanos

Experiência não faltava a Winnipeg. A cidade canadense organizava o evento pela segunda vez e teve cinco anos desde a escolha da sede para montar a estrutura necessária para receber os 5 mil atletas participantes.

No campo esportivo, a competição foi muito equilibrada. Os Estados Unidos terminaram em primeiro no quadro de medalhas, mas tiveram seu menor número de medalhas de ouro (106) desde os Jogos de Cáli 1971. Logo atrás, a briga pelo segundo lugar foi acirrada. Cuba teve apenas cinco ouros a mais do que o Canadá (69 a 64). Na sequência, Brasil e Argentina empataram no número de medalhas de ouro (25) e os brasileiros ficaram em quarto lugar por terem o maior número de medalhas de prata (32 a 19). A 25ª medalha de ouro brasileira só veio no último dia do evento, com a equipe de ginástica rítmica desportiva (GRD).

O atletismo brasileiro igualou o recorde de 16 medalhas obtido pela natação no Pan anterior, em Mar del Plata. E ainda consagrou o segundo tricampeão pan-americano do Brasil na história dos Jogos. Eronilde Araújo venceu pela terceira vez consecutiva a prova dos 400m metros com barreiras, igualando o feito de Adhemar Ferreira da Silva no salto triplo dos Pan de 1951, 1955 e 1959.

Mas a natação não ficou atrás. Fernando Scherer, o Xuxa, se tornou o primeiro brasileiro a ganhar quatro medalhas de ouro numa só edição do Pan (50m, 100m e 4x100m livre, além do 4x100m medley - em todas estabelecendo novos recordes pan-americanos). Gustavo Borges também se consagrou como o brasileiro com mais medalhas em Jogos Pan-americanos, conquistando cinco (três de ouro, uma de prata e uma de bronze) e somando 15 ao todo nos Pans de Havana 1991, Mar del Plata 1995 e Winnipeg 1999. Xuxa e Borges, junto com Carlos Jayme e Edvaldo Valério, conquistariam o bronze no revezamento 4x100m livre em Sidney.

A equipe de saltos do hipismo, com Rodrigo Pessoa, Vitor Alves Teixeira, Bernardo Resende Alves e Alvaro Affonso de Miranda Neto, o Doda, conquistou o bicampeonato pan-americano, um ano antes de conquistar, também pela segunda vez consecutiva, o bronze olímpico (em Sydney, Vitor e Bernardo foram substituídos por Luiz Felipe Azevedo e André Johannpeter).

A seleção brasileira feminina de vôlei ganhou o ouro com uma emocionante vitória sobre as cubanas na final, ainda mais gratificante graças à rivalidade entre as duas equipes trazida desde os Jogos Olímpicos Atlanta 1996. Em Sidney, o time feminino do Brasil repetiria Atlanta e conquistaria o bronze.

Os Jogos de 1999 marcaram a estreia do torneio de vôlei de praia no Pan. Brasil e Canadá levaram a melhor, ganhando uma medalha de ouro cada. No feminino, assim como aconteceu nos Jogos Olímpicos de Atlanta, o Brasil aproveitou a estreia da modalidade para ganhar o ouro, dessa vez com a dupla Adriana Behar/Shelda, que seria prata um ano depois na Austrália. No masculino, os canadenses Holden/Leinemann conquistaram o ouro.

Já a Seleção Brasileira masculina de basquete se recuperou da má campanha no Pré-Olímpico de Porto Rico, disputado pouco antes do Pan e no qual o Brasil tinha perdido a vaga para Sidney, derrotando uma equipe americana formada por jogadores profissionais para ficar com a medalha de ouro e repetir o feito histórico do Pan de Indianápolis 1987.

Duas medalhas (prata no salto e bronze no solo) apresentaram ao Brasil a ginasta Daiane dos Santos. Quatro anos mais tarde ela se tornaria a primeira ginasta brasileira campeã mundial (na prova do solo).

Além do bom desempenho brasileiro, algumas das melhores performances dos Jogos vieram na natação. A canadense Jessica Deglau conquistou quatro medalhas de ouro nos 200m livre e borboleta e nos revezamentos 4x100m e 4x200m livre.

Mas no atletismo, uma nota triste. O cubano Javier Sotomayor acabou perdendo a medalha de ouro no salto em altura por conta do exame antidoping, que detectou o uso de cocaína.

Apesar de mais um bom desempenho esportivo, Cuba teve algumas baixas em Winnipeg. Ao todo, nove membros da delegação abandonaram a equipe para pedir asilo político. Desses nove, sete eram atletas, um era técnico e o último era jornalista.

A edição de 1999 também abriu novas portas do Pan para as mulheres. A partir desse ano, elas passaram a competir no futebol, pentatlo moderno, levantamento de peso e polo aquático.

Países: Antígua e Barbuda, Antilhas Holandesas, Argentina, Aruba, Bahamas, Barbados, Belize, Bermuda, Bolívia, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, Dominica, El Salvador, Equador, Estados Unidos, Granada, Guatemala, Guiana, Haiti, Honduras, Ilhas Cayman, Ilhas Virgens, Ilhas Virgens Britânicas, Jamaica, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Peru, Porto Rico, República Dominicana, Santa Lúcia, São Cristóvão e Nevis, São Vicente e Granadinas, Suriname, Trinidad e Tobago, Uruguai e Venezuela.

Número de países: 42
Total de atletas: 5.000
Atletas do Brasil: 436
Número de esportes: 34

Esportes: Atletismo, badminton, basquete, beisebol, boliche, boxe, canoagem, ciclismo, esgrima, esportes aquáticos (natação, natação sincronizada, saltos ornamentais, polo aquático), esqui aquático, futebol, ginástica (artística e rítmica), handebol, hipismo, hóquei sobre grama, judô, karatê, levantamento de peso, lutas, patinação sobre rodas, pentatlo moderno, raquetebol, remo, softbol, squash, taekwondo, tênis, tênis de mesa, tiro com arco, tiro esportivo, triatlo, vela, vôlei e vôlei de praia.

Outras participações nos Jogos Pan-Americanos Todas participações
Sites olímpicos e paraolímpicos
Patrocinadores Olímpicos Mundiais
Patrocinadores Oficiais
Apoiadores Oficiais
Parceiros Oficiais