Carregando...

Rio 2007

13/06 a 29/06
|
Jogos Pan-Americanos

Participação do Brasil
Atletas: 660
Medalhas: 157 (52 ouros, 40 pratas e 65 bronzes)
Modalidades: a
tletismo, badminton, basquete, beisebol, boliche, boxe, canoagem, ciclismo (bmx, estrada, mountain bike e pista), esgrima, esportes aquáticos (nado sincronizado, natação, saltos ornamentais, polo aquático), esqui aquático, futebol, futsal, ginástica (artística, rítmica e de trampolim), handebol, hipismo (saltos, CCE e adestramento), hóquei sobre grama, judô, karatê, levantamento de peso, lutas, patinação (artística e de velocidade), pentatlo moderno, remo, softbol, squash, taekwondo, tênis, tênis de mesa, tiro esportivo, tiro com arco, triatlo, vela, vôlei, vôlei de praia.

Os XV Jogos Pan-americanos Rio 2007 ficaram marcados pelo desempenho histórico dos atletas brasileiros, superando o recorde de medalhas obtido quatro anos antes, em Santo Domingo: 157, sendo 52 de ouro (um aumento de 79% em relação à última edição), 40 de prata e 65 de bronze. Esse resultado deixou o país na terceira colocação do quadro geral de medalhas, à frente do Canadá. 

Por ser o país-sede da competição, o Brasil participou de todas as 47 modalidades disputadas e conquistou medalhas em 40, atingindo 85% de aproveitamento. A maior Delegação Brasileira da história foi composta por 960 integrantes. A melhor participação brasileira foi um reflexo do primeiro ciclo pan-americano completo com os recursos da Lei Agnelo/Piva. A aplicação dos recursos da Lei proporcionou a melhor preparação dos atletas brasileiros de todos os tempos, com a criação de 30 equipes olímpicas permanentes, abrangendo 710 atletas.

A natação foi o esporte que conquistou o maior número de medalhas para o Brasil: 24, sendo dez de ouro, seis de prata e oito de bronze, uma evolução de 233% em comparação com Santo Domingo. Thiago Pereira foi o grande vencedor dos Jogos, com seis medalhas de ouro, uma de prata e uma de bronze. Ele se tornou o recordista de vitórias em uma edição dos Jogos, superando os nadadores Fernando Scherer, do Brasil, e o norte-americano Mark Spitz.

No Judô, o Brasil conquistou 13 medalhas nas 14 categorias em disputa -Flávio Canto sofreu uma luxação no cotovelo direito durante a semifinal contra o americano Travis Stevens e não retornou ao dojô para a disputa pela medalha de bronze. 

O Rio foi o palco de momentos históricos para o esporte brasileiro. Apesar de o Brasil ter ficado com a prata no basquete feminino, a premiação foi marcada pela emoção da despedida da ala Janeth. No tênis de mesa, Hugo Hoyama conquistou sua nona medalha de ouro, tornando-se, assim, o maior medalhista de ouro brasileiro na história dos Jogos até então, à frente do ex-nadador Gustavo Borges. A karateca Lucélia Ribeiro passou a ser a maior campeã pan-americana em uma modalidade individual do esporte brasileiro ao conquistar o tricampeonato de sua categoria.

A ginástica artística fechou sua apresentação nos Jogos com um saldo de nove medalhas, quatro de ouro, duas de prata e três de bronze. E as meninas da ginástica rítmica repetiram o desempenho dos Jogos de Santo Domingo no conjunto, com três medalhas de ouro (geral, cinco cordas e três arcos e duas maças). O país ainda ganhou um bronze no individual, com Ana Paula Schaffer no arco.

Três modalidades estrearam nos Jogos Pan-americanos e com medalhas brasileiras: futsal, ginástica de trampolim e maratonas aquáticas. 

Nos gramados, a seleção feminina de futebol deu um show à parte nos Estádios João Havelange e no Maracanã, onde conquistou o ouro diante de 60 mil pessoas. Pelo seu desempenho nos Jogos, a brasileira Marta, eleita a melhor do mundo pela FIFA, se tornou a primeira mulher a colocar os pés na Calçada da Fama do Maracanã.

O vôlei de praia conquistou pela primeira vez o ouro no feminino, com Juliana e Larissa, e no masculino, com Ricardo e Emanuel. O vôlei de quadra feminino ficou com a prata e o masculino, com o ouro, o que não acontecia desde Caracas 83, completando todas as conquistas possíveis para a maior geração desse esporte no país até então.

A modalidade que apresentou o maior crescimento total em relação aos últimos Jogos foi o boxe, com oito medalhas das 11 possíveis, contra três em Santo Domingo. 

O taekwondo fez a sua melhor participação em Jogos Pan-americanos, com a primeira medalha de ouro desde Havana 1991 e a segunda do Brasil no esporte na história dos Jogos, com Diogo Silva. Além da medalha dourada, a modalidade ficou também com duas de prata e uma de bronze. Na vela, o país conseguiu conquistar três medalhas de ouro, duas de prata e duas de bronze, quase o dobro das quatro medalhas ao todo em Santo Domingo.

No tênis, coube a Flávio Saretta levar o país ao topo do pódio, vencendo outro chileno, Adrián Garcia.

Os cavaleiros Rodrigo Pessoa, Bernardo Alves, Pedro Veniss e César Almeida, da equipe de saltos, conquistaram o ouro no hipismo. Além disso, Rodrigo Pessoa garantiu também a prata no individual. Já a equipe de adestramento fez história ao ganhar a medalha de bronze - quebrando um tabu de 24 anos sem medalhas em Jogos Pan-americanos - e obter uma vaga para os Jogos Olímpicos pela primeira vez na modalidade. Rogério Clementino, Renata Costa e Luiza Almeida, de apenas 15 anos e última atleta a integrar a delegação brasileira, foram os responsáveis por mais essa marca no Rio 2007.

Outras medalhas inéditas conquistadas pelo Brasil no Rio 2007 foram o ouro de Fabiana Murer e Fábio Silva no salto com vara, a primeira medalha (prata) do boliche para a dupla Rodrigo Hermes e Fábio Rezende, o bronze nas duplas de badminton para Guilherme Kumasaka e Guilherme Pardo, a prata no BMX feminino com Ana Flávia Sgobin, a primeira medalha feminina na esgrima para Clarisse Menezes (bronze na espada) e o também bronze para João Antônio Souza no florete (primeira vez nesta arma), o ouro do esqui aquático para Marcelo Giardi no wakeboard e a prata na luta greco-romana com Luis Fernandes e o bronze na luta livre feminina com Rosângela Conceição.