Carregando...

Caracas 1983

14/08 a 29/08
|
Jogos Pan-Americanos

Numa época em que as diferenças políticas entre os blocos capitalista e comunista levavam a divisões no mundo esportivo, a edição venezuelana dos Jogos Pan-americanos atestou a união dos povos do continente. Se os Jogos Olímpicos Moscou 1980 (antiga União Soviética) e os Jogos de Los Angeles (EUA) foram marcados por boicotes de motivações políticas, o Pan de Caracas reuniu 36 países das Américas, o maior número de participantes até então registrado.

Os Jogos de Caracas também ganharam notoriedade por um grande passo na luta contra o doping. Com exames mais avançados, 17 atletas foram flagrados pelo uso de substâncias proibidas e, segundo o relatório oficial dos Jogos, outros tantos resolveram abandonar a competição, possivelmente temendo ser pegos pelos exames.

A modalidade mais prejudicada por essa debandada foi o atletismo. Apesar disso, algumas performances mereceram destaque na modalidade. Como a do cubano Leandro Peñalver, campeão dos 100m rasos (com 10s06) e a do brasileiro Agberto Guimarães, ouro nas provas dos 800m (1m46s31) e 1.500m (3m42s91). Nos 1.500m, outro brasileiro, Zequinha Barbosa, ficou com a medalha de prata. E Joaquim Cruz, que em 84 conquistaria o ouro olímpico em Los Angeles, nos 800m não pôde ir a Caracas por conta de uma lesão. O Brasil teve uma atuação homogênea no atletismo em 1983, conquistando ainda mais dois ouros, duas pratas e três bronzes.

Alguns dos atletas mais famosos dos Estados Unidos no fim do século XX participaram dos Pan de Caracas. Michael Jordan foi o cestinha (138 pontos em oito jogos) da seleção masculina de basquete que ganhou a medalha de ouro. Depois do Pan, Jordan seria campeão olímpico duas vezes, campeão seis vezes da NBA, a liga americana de basquete, e considerado o melhor jogador de todos os tempos no esporte.

No beisebol, Mark McGwire conseguiu dois home runs e foi o maior anotador da seleção americana, com seis corridas marcadas no torneio. McGwire, porém, não conseguiu evitar que os Estados Unidos perdessem o ouro para Cuba e a prata para Nicarágua, ficando com o bronze. Depois do Pan, o rebatedor ganharia fama ao quebrar o recorde de home runs da Liga Americana de Beisebol (MLB), em 1998.

E, no boxe, Evander Holyfield conquistou a medalha de prata na categoria meio pesado (até 81-kg). Holyfield, que seria campeão mundial na categoria peso-pesado, perdeu o ouro para o cubano Pablo Romero, numa decisão por pontos.

Competindo em 18 esportes (todos menos hóquei na grama, levantamento de peso, lutas e softbol), o Brasil ficou entre os oito melhores do ranking pan-americano na maioria das modalidades. O melhor desempenho foi na vela, com a conquista de quatro ouros (uma delas na soling por Daniel Adler, Ronaldo Senfft e Torben Grael, que um ano depois ganhariam a prata em Los Angeles na mesma classe) e uma prata.

Dos brasileiros que também conquistaram medalhas em Los Angeles, subiram ao pódio em Caracas o judoca Luís Onmura (prata no Pan e bronze olímpico na categoria leve), o nadador Ricardo Prado (que saiu da Venezuela com duas pratas e dois ouros, um deles na mesma prova em que ganharia prata em 84: os 400m medley) e as Seleções masculinas de futebol (prata nas duas competições) e de vôlei (que no Pan venceu EUA e Cuba na fase final para ficar com ouro, mas nos Jogos Olímpicos perdeu para os americanos na decisão, ficando conhecida como a geração de prata).

Um atleta do Brasil só pôde comemorar a conquista de uma medalha no Pan Caracas quatro anos depois: Renato Dutra e Mello Emílio, que ganhara a medalha de bronze na pontuação geral do tiro com arco em 1983, deveria ter levado o bronze na prova de alvo a 70m se os organizadores não tivessem computado sua pontuação de forma equivocada. O erro histórico foi corrigido no Pan de Indianápolis com a devida premiação do brasileiro.

Países: Antígua e Barbuda, Antilhas Holandesas, Argentina, Bahamas, Barbados, Belize, Bermuda, Bolívia, Brasil, Canadá, Chile, Costa Rica, Colômbia, Cuba, El Salvador, Equador, Estados Unidos, Guatemala, Guiana, Haiti, Honduras, Ilhas Cayman, Ilhas Virgens, Ilhas Virgens Britânicas, Jamaica, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Peru, Porto Rico, República Dominicana, Suriname, Trinidad e Tobago, Uruguai e Venezuela.

Esportes: Atletismo, basquete, beisebol, boxe, ciclismo, esgrima, esportes aquáticos (natação, natação sincronizada, saltos ornamentais, polo aquático), futebol, ginástica, hipismo, hóquei sobre grama, judô, levantamento de peso, lutas, remo, softbol, tênis, tênis de mesa, tiro com arco, tiro esportivo, vela e vôlei.

Esporte estreante: Tênis de mesa

Número de países: 36
Total de atletas: 3.426
Atletas do Brasil: 276
Número de esportes: 22

Outras participações nos Jogos Pan-Americanos Todas participações
Patrocinadores Olímpicos Mundiais
Patrocinadores Oficiais
Apoiadores Oficiais
Parceiros Oficiais
Fornecedores Oficiais